sexta-feira, 25 de março de 2011

Vivos e mortos...



(...)

Vivos e mortos
perambulam nas estradas
um sorriso nos lábios.
O que dizem
no silêncio
agora pleno
da alma?
Appassionata.

O gesto preserva a
emoção e o brusco
perpassar de folhas mortas.
Gemem pássaros noturnos
fiéis da madrugada
até que o horizonte desperte
em sua luz dourada.

Dedos da memória
afagam e são cruéis:
tudo ressurge e se transfigura
no que poderia ser
se a chuva desabasse.
Só os relâmpagos
ao longe
de raios mudos.

(...)

De Appassionata
São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2007 (obra póstuma)

Nenhum comentário:

Postar um comentário